Arranque do Ano Escolar

Categoria: Notícias, PSD Paços de Ferreira

Por estes dias tem início mais um ano lectivo para as crianças e jovens do nosso concelho.

O contexto em que vivemos, faz com que este arranque seja único e incapaz de ser medido e/ou comparado com algo que anteriormente tenha sido feito.

Importa, antes de mais, dar uma palavra de encorajamento a toda a comunidade escolar neste momento ímpar com o qual se estão a deparar. Estamos certos no PSD, que este novo contexto só será cumprido com sucesso se existir aqui uma grande comunhão de esforços, medidas e concretizações entre todos aqueles que fazem parte desta nossa comunidade educativa.

Tenho comigo, como princípio basilar da minha acção humana e política, de que em sectores como a educação e a saúde não existem caminhos desviantes por tendências ideológicas. Temos de garantir às nossas crianças a possibilidade de terem o percurso académico que almejam, que lhe permitam a satisfação pessoal e a garantia de um futuro condigno com a sua ambição, onde o contexto onde nascem hoje, não deverá ter influência sobre aquilo que pretendem ser no amanhã.

Na saúde, o direito básico do acesso aos cuidados de saúde deve ser sempre assegurado. Contudo, pela primeira vez desde que tenho memória, nunca uma coisa e a outra estiveram com tanto choque entre si.

Do sucesso da abertura deste ano escolar, não só dependerá o sucesso deste ano lectivo para os nossos jovens, como em grande medida, dependerá o sucesso de continuarmos a ter um sistema nacional de saúde que não se esgote na sua capacidade que, segundo os especialistas, poderá ser esse um dos grandes problemas deste vírus que veio alterar o nosso modo de viver.

Temos de garantir às nossas crianças a possibilidade de terem o percurso académico que almejam(…) onde o contexto onde nascem hoje, não deverá ter influência sobre aquilo que pretendem ser no amanhã.

Temos, nas nossas escolas de conseguir aplicar todas as medidas necessárias que nos permitam mitigar a transmissão do vírus. E, aqui, não existem palavras mais ou menos amáveis, o poder político tem de estar no centro da resolução. O poder político tem de ser o principal condutor de toda esta estratégia. Não é hora de populismos, é hora de trabalho!

Temos recebido vários contactos, de pais, associações de pais, directores de agrupamento e afins, que nos dão a conhecer algumas situações que nos preocupam. Acreditamos que pode e deve ser feito mais.

Com o momento ímpar que vivemos, as medidas a aplicar também o devem ser, e aqui entidades públicas como a Câmara Municipal, deveriam ter tido um papel mais pró-activo no planeamento deste ano escolar.

Em coisas básicas, como por exemplo, a medição da temperatura corporal que está a ser realizada à porta das escolas aos nossos alunos, deveriam ter sido pensadas soluções físicas para que isso seja feito de forma mais cómoda, uma vez que entraremos numa época de mais chuva, pergunto como irá ser feita a medição da temperatura em escolas que não consigam manter os alunos num local abrigado até ser realizada essa medição?

Defendemos que sejam averiguadas as situações individualmente e se encontre uma solução.

Ainda a título de exemplo, e sendo algo que nos tem chegado recorrentemente nas últimas horas, o número de auxiliares nas nossas escolas neste contexto pandémico, é manifestamente insuficiente e deve o nosso concelho fazer um esforço para garantir que as nossas crianças tenham à sua disposição um número mais elevado de auxiliares.

Neste momento único, não pode a comunidade escolar andar empenhada em resolver da melhor forma os problemas com os quais se vai deparando diariamente, e ter da parte das entidades públicas competentes uma resposta insuficiente.

Da parte da comissão política do PSD, recentemente eleita, a comunidade escolar do nosso concelho pode esperar a capacidade de ouvir, partilhar, debater e defender os seus anseios que, afinal de contas, são os anseios de todos nós.

Às crianças, jovens, encarregados de educação e associações de pais do nosso concelho, repito-me com uma mensagem final para este ano lectivo que será único para cada um de vós: a condição em que uma criança nasce, não pode ser o garante nem o obstáculo daquilo que será o seu futuro, por isso, devem exigir junto da nossa comunidade e do poder político, as melhores decisões que garantam as melhores condições para que esse contexto de nascença não influencie o percurso nem o dia de amanhã dessa criança.

Que este seja um ano repleto de sucesso escolar!

Por fim, aproveito para deixar uma palavra de força, fé e coragem a cada um dos nossos conterrâneos, porque depois de uma grande nuvem negra, chega sempre a bonança. Desta vez não será diferente.

Miguel Pereira Vice-Presidente do PSD Paços de Ferreira